• Redação

Aplicativo é lançado para combater violência contra a mulher


A partir de hoje, as mulheres poderão contar com mais um apoio no combate à violência doméstica. Desenvolvida pelo Instituto AzMina em parceria com o Twitter, a assistente virtual Penha vai ajudar, de forma rápida e fácil, a identificar sinais de relações abusivas e a orientar sobre direitos e caminhos para interromper uma situação de violência de forma segura. Para receber um atendimento, basta enviar uma Mensagem Direta (DM) para o perfil @revistaazmina no Twitter.


Para desenvolver as interações do serviço automatizado, o Instituto AzMina analisou as centenas de atendimentos realizados nos últimos cinco anos. Entre os principais temas abordados por mulheres de diferentes grupos etários, em todas as regiões do Brasil, estão: dúvidas sobre se o que estão vivendo é ou não um relacionamento abusivo, quais são os tipos de violência contra a mulher previstos na lei brasileira, e onde buscar ajuda.

Batizada em homenagem à Lei Maria da Penha, que completa 15 anos no próximo dia 7 de agosto, a assistente Penha também vai apontar os serviços da rede de atendimento à mulher mais próximos. Entre eles, estão os locais públicos de denúncia (Delegacias da Mulher, Defensoria Pública e Ministério Público), assistência social, acolhimento (Casa da Mulher Brasileira e centros de referência da mulher) e saúde (unidades básicas de saúde e serviços de violência sexual e aborto legal).

De acordo com Marília Moreira, gerente de projetos do Instituto AzMina, organização sem fins lucrativos que luta pela igualdade de gênero, a parceria com o Twitter, uma plataforma que serve à conversa pública e reúne informações em tempo real, é estratégica e fundamental no contexto brasileiro. "As plataformas digitais são um espaço fundamental para a conscientização acerca da violência doméstica.




Nos últimos anos, vimos crescer a confiança de mulheres no uso de aplicativos para o registro de denúncias de assédio e violências. Na conversa com a Penha, a mulher vai saber mais sobre relacionamento abusivo, aprender como ajudar outra mulher nessa situação e receber orientações importantes de serviços gratuitos próximos a ela", explica Moreira.

Segundo dados publicados desde 2020, a violência doméstica no país ocupa a quinta posição no ranking mundial de feminicídios e foi agravada durante a pandemia. "No contexto da pandemia, em que notamos o agravamento dos indicadores da violência de gênero, o acesso a informações e serviços online é fundamental.




A parceria surge neste sentido, e reforça o compromisso que temos com o caráter cívico e de promoção de direitos humanos do Twitter, comenta Fernando Gallo, gerente de Políticas Públicas do Twitter no Brasil. "Esta iniciativa é parte de uma série de esforços guiados por nossa missão de servir e ajudar a promover a conversa pública global e garantir que a plataforma seja um lugar saudável, seguro e democrático, incluindo esforços para garantir a segurança das mulheres na plataforma", complementa.

Veja Mais

Veja Mais