• Redação

Atletismo e natação já trouxeram seis ouros para o Brasil




Nove pódios e cinco medalhas de ouro em um único dia. Esse foi o resultado da participação brasileira nos Jogos Paralímpicos de Tóquio nessa quinta-feira (26). Quatro ouros foram no atletismo, modalidade com a maior número de atletas brasileiros nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e que recebeu o maior repasse de recursos do Bolsa Atleta, programa de patrocínio individual do Governo Federal.




O Brasil já soma 17 pódios com seis medalhas de ouro, quatro de prata e sete de bronze. No ranking mundial, ocupa a sexta posição.



O primeiro ouro do atletismo veio com Yeltsin Jacques nos 5000m T11, para atletas com deficiência visual. Contemplado com o Bolsa Pódio, categoria mais alta do Bolsa Atleta, ele ainda estabeleceu o novo recorde das Américas nos 5.000m.




Yeltsin Jacques contou que o Bolsa Atleta deu suporte para que ele pudesse se dedicar aos treinos e conseguir ocupar o lugar mais alto do pódio. “É o que me mantém hoje no esporte. É o que dá o sustento da minha família, me proporcionar levantar todos os dias cedo, focar cem por cento no esporte. Sou contemplado no mais alto nível do Bolsa Atleta desde 2013”, disse ele.




O atletismo tem 65 esportistas na disputa por medalhas nos Jogos Paralímpicos. Desses, 64 fazem parte do Bolsa Atleta. E responde pelo maior repasse no ciclo Rio-Tóquio, com R$ 30,9 milhões.




A natação trouxe o quinto ouro do Brasil na quinta-feira com a vitória de Wendell Belarmino nos 50m livre da classe S1. Belarmino é contemplado pelo Bolsa Pódio.

“Minha primeira Paralimpíada, ganhei minha primeira medalha Paralímpica e ainda foi um ouro. Foi tudo perfeito", disse o nadador.




Segundo esporte com mais atletas na Paralimpíadas, a natação rendeu também uma prata com Gabriel Bandeira nos 200m da classe livre S14 e um bronze com Maria Carolina Santiago (Bolsa Pódio) nos 100m costas da classe S12.




Dos 36 convocados para a seleção brasileira de natação paralímpica em Tóquio, 32 são contemplados pelo Bolsa Atleta. O investimento nesse grupo, no ciclo entre os Jogos Rio 2016 e Tóquio 2021, foi de R$ 12,9 milhões. Dos 32 bolsistas, 29 integram a categoria Pódio, a principal do programa.




O Brasil compete em Tóquio com a maior delegação em Jogos Paralímpicos no exterior. São 259 atletas, incluindo atletas-guia, calheiros, goleiros e timoneiro. Desse total, 236 são atletas titulares, dos quais 226 (95,7%) integram o Bolsa Atleta.



A maior parte dos esportistas (57,6%) recebe Bolsa Pódio que é a principal categoria do Bolsa Atleta. São 136 atletas. Nas outras categorias são: 44 na Paralímpica, 26 na Internacional e 20 na Nacional.



O investimento total é de R$ 117 milhões do Governo Federal via Bolsa Atleta aos 226 esportistas desde 2005. Só no ciclo entre os Jogos Rio 2016 e Tóquio, são R$ 75 milhões depositados diretamente aos integrantes da delegação brasileira.




Fonte: Gov.br

Veja Mais

Veja Mais