• Redação

Especialista explica sobre a importância da vitamina D para mulheres


Um estudo realizado por especialistas da Universidade Federal de Minas Gerais e pela Universidade Federal de Viçosa (MG) apontou que 85% das mulheres que acabaram de dar à luz têm deficiência de vitamina D. O mesmo problema acomete seus bebês: 80,5% dos recém-nascidos avaliados na pesquisa também tinham falta da substância.


"As puérperas, nome dado às mulheres que ganharam bebê recentemente, fazem parte das populações que são particularmente vulneráveis à deficiência da vitamina D, assim como as gestantes", afirma Lúcia Barreira, Gerente Técnica-Científica do Laboratório Gross.


Segundo ela, quando os índices da substância não estão de acordo com o mínimo necessário e não há reposição, esta deficiência também se estende aos bebês, já que eles se alimentam exclusivamente do leite materno.


Nas mães, a falta de vitamina D afeta a saúde dos ossos e dos músculos (o que os torna mais fáceis de quebrar, especialmente os ossos da coluna, quadril e pernas), corrobora à fadiga excessiva, fraqueza, mal-estar e espasmos musculares. Já entre os recém-nascidos, há risco de raquitismo, retardo do crescimento, arqueamento das pernas, alargamento das extremidades dos ossos da perna e dos braços, atraso no nascimento dos dentes e aparecimento precoce de cáries.


"Há ainda indícios de que a carência está relacionada a doenças como obesidade, diabetes tipo 1, asma, problemas alérgicos e autoimunes. Além disso, quanto mais escura for a pele, menor é a produção do nutriente", informa ele, lembrando que, nesses casos, é apropriado dosar a vitamina D por meio de uma amostra de sangue. "Caso seja detectada a escassez da vitamina D, um médico pode recomendar a ingestão de um suplemento", diz a especialista.


Segundo ela, suplementos vitamínicos como o Mildê® podem ser utilizados neste caso. Trata-se de um suplemento vitamínico com concentração de 1.000 UI de vitamina D3 por gota e 200.000 UI por fracos de 10ml,produzido pelo Laboratório Gross, cujo objetivo é auxiliar e suprir as necessidades desta substância, considerada essencial para a manutenção da saúde óssea, do funcionamento muscular e do sistema imune.


"Mãe e filho devem buscar uma alimentação balanceada e passeios ao ar livre, sempre tomando os cuidados devidos à proteção solar. Mas é recomendável visitar o pediatra para uma análise clínica e exames para saber se há necessidade de suplementação", finaliza Lúcia Barreira.

Veja Mais

Veja Mais