• Redação

Pressuposta delação acusam autoridades baianas de organização criminosa





Uma possível delação premiada encaminhada ao Ministério Público Federal (MPF), em atenção a Subprocuradora Lindôra Araújo, está circulando nas redes sociais e whatsapp. Na delação assinada pela Desembargadora Sandra Inês Moraes Ruscolelli Azevedo e seu filho Vasco Rusciolelli Azevedo, acusam autoridades baianas de fazerem parte de uma organização criminosa que agem de dentro do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA).


Juízes, desembargadores, advogados, funcionários do TJBA e até um falso Cônsul, compõem esta organização que vendia sentença para quem podia pagar.


Os denunciantes informam que até um Gabinete de Segurança Institucional (GSI), foi criado com a ajuda do Secretário de Segurança Pública Maurício Teles Barbosa e era usado como instrumento de coerção e coação contra quem afrontava os interesses do grupo. Sua finalidade era apenas de perseguir, coagir e ameaçar Desembargadores e Juízes.


Ainda a denunciante, declara que foi ameaçada de morte, por mensagem de celular (mensagem ainda consta do aparelho objeto da Busca e Apreensão).



No documento encaminhado ao MPF fez relatos dos modus operandi da organização, que são de vendas de sentença e decisões em favor do grupo representante dos interesses, arquivamento de investigação, troca de juízes antes de determinado julgamento por não fazer parte da organização, venda de decisão para as duas partes e até as faltas de pagamento por troca de grupo.


O esquema parecido com a Oeste foi implantado em Camaçari. Os delatores têm conhecimento específico que um operador tinha interesse em determinados processos em que figuravam empresas solventes.


Por meio de decisões judiciais as empresas seriam constrangidas ao pagamento de quantias a título de acordo. Não se levaram em consideração a notícia dos autos no sentido de que o Estado da Bahia desapropriou a área em 1975 e repassou-a ao município de Camaçari, que vendeu a indústria para instalação de um polo industrial.


Após os relatos e apresentação de uma relação de bens, o advogado dos delatores pediu a Subprocuradora o deferimento da delação que foi encaminhada no dia 25 de maio de 2020.

O site Rx Notícias procurou a Procuradoria Geral da República, onde informou que não se manifesta sobre delações, que são um tema protegido por sigilo legal.


Do mesmo modo, procuramos a assessoria da SSP/BA para pedir uma nota de esclarecimento. Entretanto, fomos informados que o Secretário Mauricio Barbosa, tinha conhecimento das denúncias e após uma reunião na governadoria iria se pronunciar.


O site Rx Notícias tem o compromisso com a verdade e a responsabilidade em apurar os fatos, seja ela Verdade ou Fake News!

Veja Mais

Veja Mais