• Redação

Putin coloca forças de dissuasão nuclear da Rússia em alerta



O presidente Vladimir Putin ordenou que as forças de dissuasão nuclear russas sejam colocadas em alerta máximo em uma dramática escalada de tensões com o Ocidente sobre a invasão da Ucrânia por Moscou .



Putin disse no domingo que as principais potências da Otan fizeram “declarações agressivas” ao impor sanções financeiras contundentes contra a Rússia e ele próprio.



Em reunião com seus altos funcionários, o presidente ordenou ao ministro da Defesa e ao chefe do Estado-Maior das Forças Armadas que colocassem as forças de dissuasão nuclear em “regime especial de dever de combate”.



A ordem levanta a ameaça de que as tensões podem levar ao uso de armas nucleares.

"É certamente uma escalada", disse Dorsa Jabbari, correspondente da Al Jazeera em Moscou. “Os últimos exercícios nucleares ocorreram em 19 de fevereiro, quando Putin realizou exercícios muito grandes em toda a Rússia para testar o programa nuclear do país e [sua] prontidão”.




O Kremlin disse que testou com sucesso mísseis hipersônicos e de cruzeiro no mar e em alvos terrestres. O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, aliado de Putin, também supervisionou os exercícios militares.



“Este é aparentemente outro movimento do presidente Vladimir Putin para mostrar que ele ainda é um homem de força”, disse Jabbari.



Os Estados Unidos responderam ao anúncio de Putin, acusando o líder russo de fabricar ameaças para justificar “mais agressão”.



“Este é um padrão que vimos do presidente Putin ao longo deste conflito, que está fabricando ameaças que não existem para justificar novas agressões”, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, à ABC.



A embaixadora americana nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, condenou fortemente o movimento de Putin.



“Isso significa que o presidente Putin continua a escalar essa guerra de uma maneira totalmente inaceitável”, disse Thomas-Greenfield em entrevista à CBS.



Miro Popkhadze, analista do Foreign Policy Research Institute, disse à Al Jazeera que o anúncio de Putin deveria ser percebido como uma ameaça pela Europa.



“Seu objetivo é dividir a União Europeia” e enfraquecer o apoio do bloco à Ucrânia, disse Popkhadze. “É improvável [isso vai funcionar].”



Em meio ao desenvolvimento preocupante, o gabinete do presidente da Ucrânia disse que uma delegação se reuniria com autoridades russas perto da fronteira com a Bielorrússia.

Moscou enfrenta condenação internacional desde que lançou uma invasão em larga escala da Ucrânia na quinta-feira. As tropas russas enfrentaram resistência determinada ao tentar entrar nas grandes cidades da Ucrânia, já que os ucranianos se voluntariaram em massa para ajudar a defender o país, levando armas distribuídas pelas autoridades e preparando bombas incendiárias para combater as forças russas.



Putin afirmou que o Ocidente não levou a sério as preocupações de segurança da Rússia sobre a Otan, a aliança militar ocidental à qual a Ucrânia aspira se juntar.



O secretário-geral Jens Stoltenberg anunciou na sexta-feira que a aliança está enviando milhares de tropas prontas para o combate aos vizinhos da Ucrânia, além de continuar enviando armas para a Ucrânia, incluindo defesas aéreas após o ataque da Rússia.



Stoltenberg acrescentou que os aliados da Otan e a União Européia já haviam introduzido sanções significativas e que outros parceiros ao redor do mundo seguiram o exemplo.



“Devemos estar prontos para fazer mais. Mesmo que isso signifique que temos que pagar um preço”, disse Stoltenberg.



Putin enviou tropas para a Ucrânia depois de negar por semanas que pretendia fazê-lo, enquanto montava uma força de quase 200.000 soldados ao longo das fronteiras dos países .



Ele também expressou desprezo pelo direito da Ucrânia de existir como um estado independente.



A Rússia assumiu nesta quinta-feira o controle da antiga usina nuclear de Chernobyl , onde a radioatividade ainda está vazando do pior desastre nuclear da história, 36 anos atrás.

Os níveis de radiação aumentaram na Zona de Exclusão de Chernobyl, disseram autoridades ucranianas nesta sexta-feira, alertando que a apreensão da usina nuclear por tropas invasoras russas pode ter “consequências terríveis”.



Fonte: Aljazeera

Veja Mais

Veja Mais