• Redação

Trens com ar condicionado são abandonados para virar sucata


Um dos trens adquiridos em São Paulo está abandonado e com o para-brisa quebrado

Milhões de reais de verbas federais foram investidos para hoje vermos o descaso com o dinheiro público.




A Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB), empresa estatal vinculada desde 2013 à Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (SEDUR), após ter recebido a tutela do município de Salvador, vem sucateando propositalmente os trens com ar acondicionado que foram reformados. O objetivo é para a população deixar de utilizar os trens do subúrbio para que sejam substituídos por monotrilho.

Durante a primeira gestão do prefeito ACM Neto, os trens antigos foram substituídos por três trens modernizados e climatizados para servir a população do subúrbio. O Sistema de trem elétrico de passageiros de Salvador, vinha sendo reformado e as estações requalificadas.

Com recurso de R$ 118.000.000,00 (cento e dezoito milhões de reais) vindo do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, milhares de metros de trilhos e dormentes foram substituídos, além de duas subestações de energia elétrica novas foram montadas, aquisição de mais três trens vindo de São Paulo e duas locomotivas diesel elétricas reformadas.

Entre outras melhorias, a ponte ferroviária que liga as Estações do Lobato a Plataforma foi restaurada por R$ 63.000.000,00 (sessenta e três milhões de reais).



Atualmente, os trens que foram reformados estão escondidos no galpão destelhado e sucateados pelo "canibalismos" de trocas de peças. Para que esses trens voltassem a circular teriam de passar por uma nova reforma. Pelo menos, um desses trens pode ser visto ao lado da plataforma de embarque na Estação da Calçada, o seu estado é de total abandono e deterioração.


Galpão destelhado


Através das janelas pode se ver os trens escondidos e sucateados, a mercê do tempo





A placa colocada no lado da Estação Calçada informa a implantação do VLT - Veículo leve Sobre Trilhos, conforme o PDDU, o que modernizaria a Ferrovia existente sem precisar desativar os trens. No entanto, a informação que circula na CTB é que será implantado o “MONOTRILHO, veículo sobre rodas (pneus) sobre estrutura de concreto elevado do solo de 05 a 12 metros, com o custo cinco vezes mais caro.



Placa na lateral da Estação Ferroviária da Calçada



Segundo um funcionário da CTB que não quis se identificar, para não sofrer represália, o governo estadual assim que assumiu o sistema, retirou de circulação os trens reformados e impediu o término da montagem dos demais trens e colocou os trens antigos e precários para circular, "eles querem é causar transtornos aos usuários, para a população achar que o problema são os trens, e na verdade são eles que querem que aconteça um acidente grave com os passageiros para que possa destruir tudo de vez. A população e a justiça têm que ver o que os funcionários estão sofrendo".

Trem adquirido em São Paulo está abandonado e com o para-brisa quebrado.




A política do governo estadual é destruir a centenária Linha Ferroviária da Calçada a Paripe, para implantar o sistema de monotrilho e vender uma ideia de entregar para as mãos da iniciativa privada, onde será cobrada passagem no mesmo valor dos ônibus. Como alguns políticos baianos gostam de proferir "vender a população dificuldade para oferecer facilidade".

O mais absurdo é saber que o custo de manter a ferrovia funcionando, em média, é oito vezes menor em relação ao monotrilho, sem pensar que os trens poderiam ser utilizados como passeio turístico ou até mesmo como transporte de cargas do porto de Salvador ao de Aratu, ou vice-versa.


O RX Notícias inicia a partir de hoje uma série de reportagens - Trem do Subúrbio, qual o seu destino -.

Veja Mais

Veja Mais