• Redação

Alemanha coloca cientista russo em julgamento por espionagem de tecnologia



Um cientista russo que trabalha em uma universidade alemã que foi preso no ano passado por espionar para a Rússia compartilhou informações sobre o programa de foguetes espaciais Ariane da Europa, segundo promotores alemães.



O acusado, identificado apenas como Ilnur N, foi acusado de suspeita de atividade de serviço secreto, disseram promotores federais na quinta-feira em um comunicado.



Ilnur estava trabalhando em uma universidade da Baviera quando foi contatado pelo serviço de inteligência estrangeiro russo SVR em 2019, eles alegam.



Ele “passou informações sobre projetos de pesquisa na área de tecnologia aeroespacial, em particular, as várias etapas de desenvolvimento do lançador europeu Ariane”, disseram.




O programa Ariane da Agência Espacial Européia consiste em uma série de foguetes de transporte projetados para transportar cargas pesadas, incluindo satélites, para o espaço.

Segundo os promotores, Ilnur realizou “reuniões regulares” a partir do final de novembro de 2019 com o oficial sênior do serviço de inteligência estrangeira da Rússia estacionado na Alemanha.



Ele supostamente recebeu 2.500 euros (US$ 2.800) em dinheiro em troca das informações que compartilhou, que também incluíam detalhes sobre sua pesquisa científica na universidade bávara sem nome.



Os promotores disseram que ele trabalhou como assistente de pesquisa no departamento de ciências naturais e tecnologia da universidade.



O caso ocorre em um momento de tensões crescentes entre a Alemanha e a Rússia, já que o Ocidente teme que Moscou esteja planejando invadir a Ucrânia.




Em agosto, um ex-funcionário da embaixada britânica em Berlim foi preso por suspeita de ter repassado documentos à inteligência russa.



A Alemanha também acusou repetidamente a Rússia de ciberespionagem.



A Alemanha tem visto uma série de casos suspeitos de espionagem russa em seu solo recentemente. Em outubro de 2021, um alemão foi condenado a dois anos de prisão suspensa por repassar plantas baixas de prédios do parlamento para serviços secretos russos enquanto trabalhava para uma empresa de segurança.



Fonte: Al Jazeera

Veja Mais

Veja Mais