• Redação

Candidato a vereador de Salvador tem perfil clonado


O postulante a uma cadeira na Câmara de Vereadores de Salvador, Marcos Maurício, filiado ao partido MDB, teve suas páginas do facebook, instagram e whatsapp clonados. A intenção foi associar sua imagem a um vendedor de armas, tentando prejudicar sua campanha eleitoral.


As pessoas que utilizam as redes sociais não estão livres de serem vítimas, mas no caso do candidato foi um ataque planejado e com o objetivo de criar perfis falsos e macular sua reputação. Embora não exista um artigo no código penal sobre crimes cibernéticos, os autores que criam perfis falsos podem ser enquadrados no artigo 307.

art. 307 do CP. Atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem:
Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa, se o fato não constitui elemento de crime mais grave.

Segundo Maurício, soube que teve sua página do facebook e outras redes sociais clonadas depois que amigos ligaram informando que ele tinha um anúncio de venda de arma, “isso é um absurdo, me associar a venda de arma é crime, são pessoas que querem me prejudicar na minha campanha eleitoral”, afirmou.



As medidas legais já foram tomadas, onde prestou queixa no Ministério Público e na delegacia. “O que fizeram comigo não tenho dúvida que se trata de perseguição de alguns criminosos que querem manchar minha imagem”, continuou Marcos.



Existem entendimentos de quem se passa por outra pessoa na internet pode configurar crime de falsidade ideológica e o usuário pode pegar até cinco anos de reclusão, mesmo que não haja o intuito de prejudicar quem teve o nome utilizado.


Além disso, o perfil criado com a finalidade de obter vantagem ilícita, induzindo ou mantendo alguém em erro pode ser enquadrado no crime de estelionato, com o mesmo tempo de pena.

O candidato cobra que os autores sejam identificados e que respondam por esse ato criminoso, “vou continuar a minha luta em defesa da sociedade, seja como policial civil ou como vereador de Salvador”, concluiu Marcos Maurício.

Veja Mais

Veja Mais