• Redação

Senado homenageia centenário de Nilo Coelho




A defesa de uma política de integração nacional e a condução de práticas que estimularam o desenvolvimento do Nordeste. Essas foram as grandes marcas deixadas pelo ex-senador e ex-governador Nilo de Souza Coelho, lembradas pelos senadores nesta quinta-feira (19) durante sessão especial semipresencial em homenagem ao centenário de nascimento do político pernambucano.



Nilo Coelho nasceu em Petrolina em 2 de novembro 1920. Era médico e chegou a ocupar os cargos de deputado estadual e federal, governador de Pernambuco e senador, sendo eleito em 1983 presidente do Congresso Nacional. Morreu em 1983, aos 63 anos, quando ocupava a presidência do Senado. O político deixou sua herança política para o sobrinho que leva seu mesmo nome, o ex-governador da Bahia, Nilo Moraes Coelho.



O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), também sobrinho de Nilo de Souza Coelho, ressaltou que a homenagem ultrapassava a questão do laço sanguíneo. Para ele, trata-se de reconhecer o trabalho desempenhado pelo ex-senador na busca incansável por justiça social e pelo desenvolvimento do sertão nordestino por meio de um sistema de irrigação integrado.



— Foi incansável no esforço de criar as condições para o desenvolvimento sustentável do sertão. Ao compreender que o acesso à água era o motor desse desenvolvimento, atuou para implementar os perímetros irrigados do Vale do São Francisco. Hoje, a região produz riquezas. É responsável por 90% das exportações de uva e manga do Brasil, um negócio pujante que gera mais de 360 mil empregos diretos. Um sonho que começou com Nilo Coelho e que vive na memória e no coração da sua gente — destacou.



A visão de um Brasil integrado e o estímulo à produtividade na região de Petrolina também foram ressaltados pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG), que presidiu a sessão.



— Como um grande empreendedor, ele, não só com seu conhecimento médico e, portanto, conhecedor da sensibilidade e da capacidade humana, teve uma antevisão do desenvolvimento integrado e realizou em Petrolina, em toda aquela região do interior do Nordeste, anteriormente conhecida por sua aridez, um verdadeiro oásis da fruticultura internacional — apontou.



Na avaliação do líder do MDB, senador Eduardo Braga (AM), Nilo Coelho foi o “governador da integração” e por isso continua sendo inspiração para aqueles que buscam, na vida pública, um caminho para promover justiça social e combater a desigualdade regional.

Veja Mais

Veja Mais